Projeto Intergeracional – Era uma vez… o amor!

Projeto Intergeracional – Era uma vez… o amor!

No dia 25 de fevereiro teve início um novo projeto na Junta de Freguesia da Estrela.
O Projeto Intergeracional, que promete juntar corações e gerações, será desenvolvido pelo Gabinete das Juventudes e pelo Gabinete da Educação, e propõe juntar os mais novos e os mais velhos em atividades mensais, de maneira a aumentar o contacto intergeracional, que se vê tão reduzido nos dias de hoje.

Assim, este projeto procura, junto da “juventude” mais velha, prevenir o isolamento e problemáticas como a depressão, promover a inclusão social, o bem-estar, o sentido de comunidade e, claro, um envelhecimento saudável.
Junto das crianças, procura promover atitudes pró-sociais em relação à população mais velha, a prevenção da criação de estereótipos negativos em relação à mesma, potenciar a aprendizagem de competências sociais (como a tolerância e o respeito), assim como sensibilizá-las para diversas temáticas relacionadas com o envelhecimento.

Para o primeiro encontro deste projeto contámos com a presença de Luís Newton, Presidente da Junta de Freguesia da Estrela, e, ainda inspirados pelo Dia de São Valentim, foram convidados 3 casais de seniores da Freguesia para contarem a sua “história de amor” a 10 crianças do PASE (com cerca de 11 anos de idade).
A reação das crianças, antes da atividade, ao saberem que estes senhores estavam casados há 40 ou 50 anos…foi de puro espanto!
As opiniões dividiram-se entre “Que queridos!” e “Que horror, tanto tempo!”, sendo difícil para eles imaginarem tantos anos juntos com alguém.
Ainda assim, mostraram-se curiosas e com várias perguntas na ponta da língua: “Como é que se conheceram?”, “Quais os defeitos e as qualidades que vêem um no outro? Mas quero perguntar primeiro os defeitos, porque o que ficam são as qualidades!”, “Foi amor à primeira vista?”, “Como é que a relação deles durou tanto tempo?”.
Já os casais, ao serem convidados para participar, ficaram deliciados com este encontro com os mais novos – “Nós gostamos muito de estar com crianças!” -, reforçando que “É muito importante este contacto, é uma iniciativa muito bonita”.

Esta atividade tão especial iniciou-se com um espetáculo, dinamizado por alunos do Curso Profissional de Técnicos de Apoio Social do Agrupamento de Escolas Braancamp Freire, com o nome “Uma Velhice Feliz”. Esta brilhante peça abordava, de forma cativante, a diferente velhice de 3 senhoras: numa conversa ao estendal, duas vizinhas deram conta da falta de uma terceira. Indo à procura dela, encontraram-na algo isolada. Enquanto as outras duas falavam dos seus netos e das saudades que tinham da família, a outra nunca tinha casado e sentia-se mais sozinha. Assim, as vizinhas convidaram-na para ir à “coletividade”, onde conviviam com outras pessoas, mostrando assim que, apesar de diferentes, é possível tornar cada velhice feliz!
Tanto crianças como seniores prestavam toda a atenção à cena a desenrolar-se, colados às cadeiras, e a sala encheu-se de luz com os risos de toda a plateia!
Com um olhar atento, as crianças referiram que tinham visto uma velhice feliz porque “A senhora podia estar com os amigos e fazer atividades” e porque “Juntos somos mais fortes!”.

Após este momento de união foi altura de chamar os nossos casais até ao “palco” para estes também nos contarem uma parte da sua “velhice feliz”.
Os casais contaram o seu romance, referindo a idade e há quantos anos estavam casados, roubando exclamações da audiência.
Entre histórias e perguntas, os 3 casais mostraram uma época diferente, em que se namorava por carta, onde não se podia andar de mão dada na rua, e bailaricos só na presença dos pais!
Por entre as histórias, as crianças iam partilhando o que lhes ia no pensamento, ficando para último uma grande pergunta: “Como é que se mantêm casados há tanto tempo?”. A resposta foi unânime entre todos os casais: “Respeito, confiança, carinho e perdão!”.

Por fim, a nossa juventude mais pequena tinha feito algumas flores em origami para entregar aos casais, e prontamente se levantaram no final para as entregar, quais amigos de longa data!
Os jovens estudantes, atores e atrizes também fizeram e ofereceram lembranças a todos os presentes na sala: umas bolachinhas muito saborosas!
Após beijinhos e abraços apertados de despedida, veio o veredicto final: “Achava que ia ser uma seca, mas foi muito fixe!”, “Há coisas giras no antigamente”, e “Quando é que vamos ser nós a contar-lhes a nossa história? Não de amor, claro, somos muito novos!”.
Este é o início de uma nova história, o preencher de uma página em branco com ternura e curiosidade, fechando-se o capítulo com a pergunta de um menino: “Quando é a próxima segunda-feira que vamos vê-los?”.
*