À Descoberta de Lisboa – Teatro São Luiz

À Descoberta de Lisboa – Teatro São Luiz

Iniciámos a primeira “viagem” da iniciativa À Descoberta de Lisboa – Teatros com uma visita ao Teatro São Luiz, no Chiado.
A visita foi guiada pelo sr. Nuno Santos, Diretor da Comunicação do Teatro Municipal São Luiz que, para além de contar os pormenores históricos e técnicos deste emblemático espaço, revelou também algumas das superstições que existem no universo “dramático” e neste Teatro em particular.
A reação que recebemos dos nossos seniores foi muito positiva:
“Foi fabuloso! Uma atividade única”; “Algo que, de outra forma, não teríamos acesso”; “Adorámos conhecer as sub-caves do Teatro. Andámos debaixo da terra”; “Não imaginava a quantidade de histórias deste Teatro” “Nunca imaginámos que o Teatro fosse assim. Já assisti a muitos espetáculos neste teatro, e adorei, mas conhecer todos os espaços que estão por trás da preparação dos espetáculos é também muito enriquecedor”.

A primeira visita foi um sucesso.
No dia 14 vamos conhecer o Teatro Nacional São Carlos.
Até lá!
*

O teatro:
O São Luiz Teatro Municipal, localizado na Rua Maria Cardoso, é considerado uma das mais importantes salas de espetáculos da cidade, estando prestes a celebrar 125 anos!
Inaugurado em 22 de maio de 1894, na altura com o nome de Teatro Dona Amélia – em homenagem à rainha de Portugal dessa época.
A ideia da sua construção partiu do ator Guilherme da Silveira, que na altura cativou vários investidores, entre os quais Luís de Braga Júnior, o Visconde de São Luiz de Braga, que viria a ser o principal impulsionador da renovação do teatro.
Inicialmente, pequenos filmes começaram a ser projetados no intervalo e no final da peça em cena, tornando-se este Teatro no segundo espaço em Portugal (a par do Real Coliseu) a apresentar o cinema ao público português. Todas as noites eram projetados filmes, entre eles a primeira imagem portuguesa registada em filme – “A Boca do Inferno em Cascais”, de Erwin Rousby.
Com a queda da monarquia, e consequente fuga da família real, em 1910, o Visconde de São Luiz de Braga rebatiza a sala de Teatro da República. Poucos anos depois, em 1914, um incêndio acaba por destruir praticamente todo o edifício. Em memória deste acontecimento está, ainda agora, sobre o palco da sala principal, a imagem de Santo Amianto, um adereço da peça em cena na altura do incêndio. Dois anos depois, o teatro reabre, tendo contado, na peça de estreia, com a presença do Presidente da República, Bernardino Machado.
Em 1918 morre o Visconde de São Luiz de Braga, e a 14 de abril desse mesmo ano o teatro passa a chamar-se Teatro São Luiz, em homenagem ao mesmo.
Em 1928, o teatro foi novamente remodelado, sendo adaptado para cinema, passando a chamar-se São Luiz Cine.
Em 1930 foi modernizado, passando a ser o primeiro cinema sonoro de Portugal. Aqui, estreou o primeiro filme sonoro português, “A Severa”, de Leitão de Barros, em 1931, assim como “A Canção de Lisboa”, de Cotinelli Telmo, em 1933.
A partir de 1960, o cinema começou a perder público, o que levou ao retorno do teatro.
Sem sucesso e quase sem público, em 1971 a sala foi comprada pela Câmara Municipal de Lisboa, passando a chamar-se Teatro Municipal de São Luiz.
Por fim, em 1998 iniciou-se uma grande obra de remodelação e ampliação do teatro.
Assim, apesar dos altos e baixos ao longo dos anos, este continua a ser uma sala de grande importância, com programas que visam facilitar o acesso à cultura por parte dos habitantes de Lisboa, valorizando o património material e imaterial!