À Descoberta da Estrela – Palácio das Necessidades

À Descoberta da Estrela – Palácio das Necessidades

À Descoberta da Estrela – Conheça a sua freguesia!
A iniciativa “À Descoberta da Estrela” leva os seniores a conhecer melhor a nossa Freguesia, com todos os seus segredos, histórias, tradições e sempre de entrada gratuita.
Nesta sessão fomos visitar um dos ex-libris da Estrela: o Palácio das Necessidades (Largo das Necessidades).

O grupo ficou absolutamente maravilhado e encantado com a beleza e magia deste Palácio.
A cada passo…um detalhe de enorme riqueza, com muitas histórias envolvendo várias personalidades e épocas.
Contámos com a sabedoria, gentileza e enorme do Sr. Embaixador Manuel Côrte-Real, autor do livro “O Palácio das Necessidades”, que temos disponível na nossa Biblioteca.
*

O Palácio das Necessidades:
Este palácio, erguido no reinado de D. João V entre 1743 e 1750, que tem sido atribuído a Caetano Tomás de Sousa, integra-se num conjunto monumental classificado como Imóvel de Interesse Público (abrange a fachada palaciana, a capela e torre sineira, a fonte localizada em frente da capela, todo o edifício conventual e os respectivos jardins e parque envolvente).
Residência real durante mais de um século, recebeu, a partir de meados do séc. XX, o Ministério dos Negócios Estrangeiros.
Trata-se de uma construção barroca, desenvolvida segundo planta muito articulada em torno de 2 pátios quadrangulares, cujo alçado principal, constituído por 3 corpos delimitados por pilastras, surge rasgado por 24 janelas de peito no piso térreo e outras tantas de sacada sobrepujadas de ática no piso nobre.
No interior destacam-se as escadarias de acesso ao andar nobre e as sucessivas salas temáticas, decoradas com estuques, pinturas murais, talha, mármores, azulejos, esculturas e telas.
Este conjunto integra a Capela de N. S. das Necessidades, anterior ao palácio, de frontaria avançada formando galilé, com torre sineira, cuja fachada, rasgada por uma porta encimada por relevo de mármore figurando a padroeira, exibe estatuária de José de Almeida e Alessandro Giusti, e ainda um edifício conventual da Ordem de S. Filipe Néri, doado aos Padres do Oratório.
Jardins e uma tapada de 10 hectares englobam o conjunto edificado.

Daqui.